Tanto na Vida quanto na Corrida…

por / quarta-feira, 08 julho 2015 / Postado emVida de Corredor
Woman running in the park

A corrida me trouxe muitas coisas boas. Me trouxe paz, equilíbrio, foco, disciplina, felicidade, saúde. Mas das coisas boas que a corrida me trouxe, a melhor delas foram os amigos. A cada dia, conheço mais e mais pessoas, histórias emocionantes, aprendo muito sobre corrida e sobre a vida. No fim das contas, penso que é isso, a corrida é uma metáfora da vida.

Tanto na corrida, quanto na vida é preciso querer. É preciso querer realizar, querer algo e se dedicar. Se você apenas deseja e não tem aquele querer do fundo da alma, você não vai atrás, você fica apenas esperando e as coisas não acontecem. Se você quer muito realizar algo, mas se sente inseguro ou incapaz, você fica paralisado, não consegue seguir em frente. Na corrida também é assim. Se você quer correr uma determinada distância e não acredita ser possível, você treina sem vontade ou simplesmente não treina, você fica com medo e trava, não desenvolve.

Na vida, é preciso respeitar as diferenças pessoais, seguir regras, estar disposto a conviver em sociedade. Na corrida, também existem muitas diferenças a serem respeitadas. Por mais que alguns insistam em não visualizar essas diferenças e respeitá-las, elas existem. É preciso respeito para conviver com diversos tipos de corredores. É preciso respeito para conviver bem em sociedade.

Você já parou para pensar em como são feitos os amigos? Eu parei agora para pensar nisso. Não, eu não sei explicar certinho a mágica que transforma dois desconhecidos em amigos. O que eu sei é que você pode conhecer várias pessoas e não ser amiga de todas, da mesma forma que você pode conhecer infinitos corredores e não ser amigo de todos. O que eu sei é que amizade envolve admiração, afinidades, carinho. No meu caso, tornei-me amiga de vários corredores que eu admirava. Acredito que o esporte facilitou isso. Primeiro admirei, depois conheci a história, depois, a vida real, os percalços, as dificuldades e aí vieram as afinidades, o carinho, os sorrisos, a amizade.

Em tempos de redes sociais e um mundo quase virtual, fiz muitos amigos queridos através da internet. Confesso que a internet facilitou muitos encontros, encurtou caminhos, mudou vidas. Conheci histórias de corredores que se apaixonaram pela internet! Comigo não aconteceu, mas é questão de escolhas pessoais, do meu tipo de comportamento mesmo. Acho fantástica essa proximidade que a internet nos permite ter com as pessoas que admiramos.

Eu comecei esse texto para falar sobre pessoas fantásticas que eu encontrei mês passado, durante um evento de corrida em São Paulo. Dessas amizades virtuais que se tornam reais, desses encontros que a vida se encarrega de realizar (na hora certa) e que nos deixa transbordando. Eu escrevo um blog no Jornal Corrida há tempos e sempre tive uma relação bem profissional com a Roberta Palma, minha editora. Mas através de um amigo virtual, conheci a Valeria Spakauskas e muitas conversas e troca de experiências e boas energias depois, descobri que ela era amiga da Roberta e os laços foram se estreitando. A corrida nos uniu e descobrimos que a vida poderia nos unir ainda mais. Após uns dois anos só no virtual e com alguns desencontros, aconteceu um encontro na fila da cabine de fotos e ali, tudo o que era virtual tornou-se real.

Além de eu ter conhecido pessoalmente duas pessoas que eu admirava muito, muito mesmo, descobri que várias outras pessoas as admiravam. E foi muito engraçado contar a elas e perceber a surpresa ao saber isso. Às vezes, deixamos de falar para o outro o quanto os respeitamos e admiramos por pura soberba. Isso não é legal. Por isso, criei uma regra na minha vida: sempre elogiar e reconhecer a admiração que sinto pelas pessoas. Nunca sabemos o dia de amanhã e, prefiro fazer a pessoa feliz do que deixá-la na dúvida. Desse encontro, vieram outros. Pensei que conheceria duas mulheres fantásticas e conheci uma família de amigos, corredores, engajados, apaixonados. E me descobri fazendo parte de tudo aquilo. Tem coisa melhor?! Fui a São Paulo correr uma prova para a qual eu não estava devidamente preparada, estava sozinha, insegura, perdida e fui recebida por uma família linda e apaixonada! Me sentir parte da Família Corrida foi a maior felicidade que o esporte me trouxe!

Na corrida, assim como na vida, coisas boas acontecem quando menos esperamos. Você colhe frutos do que plantou, você descobre novas felicidades quando se abre, quando se permite. Ao longo desses anos aprendi muitas coisas sobre corrida e mais ainda sobre a vida. E sabe a que conclusão cheguei? A vida pode ser comparada a uma corrida longa. Ela acontece de verdade para quem está preparado, para quem não desiste, para que está disposto a enfrentar as dores e as delícias de viver (ou correr), para quem se entrega, para quem se arrisca, para quem ainda tem fôlego para festejar na linha de chegada! Viva a sua vida, corra a sua corrida!

Aline Oliveira
Apaixonada pela vida, por esportes, pessoas e suas histórias. Curiosa sobre o mundo e eterna aprendiz. Depois de anos proibida de praticar os esportes que amava devido a um probleminha nos joelhos, resolvi me arriscar. Não aceitei largar a corrida e hoje sou uma corredora muito feliz!!!

TOPO
%d blogueiros gostam disto: