Ele corre com o coração…

por / quinta-feira, 02 abril 2015 / Postado emGente que corre, Vida de Corredor
Cassio

Ele começou a correr porque um amigo o convidou. Estava acima do peso, recebeu um convite, aceitou e gostou. Viu que a turma da corrida  combinava mais com ele, com o estilo de vida que buscava e se apaixonou. Fez os primeiros 5km em cerca de 25min, isto é, corre bem desde o início. Ele é demais! Uma pessoa muito querida, que conheci através da corrida e que me surpreende a cada dia mais. Ele é uma figura bem conhecida aqui em BH, circula entre todas as assessorias e eventos relacionados à corrida e ainda não conheci ninguém que não gostasse dele.  Ele é o Cassio Diniz, criador do Corre BH – ao lado do irmão Wagner – e de vários projetos ligados a corrida. Espero que gostem de conhecer um pouco mais desse cara fantástico e que faz tudo com muito amor.

Com vocês, Cassio Diniz...

Com vocês, Cassio Diniz…

A história com a corrida começou assim: ele estava com 29 anos, pesava 81kg e queria dar um jeito na vida porque acreditava que depois dos 30 anos a tendência era só piorar. Coincidiu de um amigo o convidar para buscar o kit de uma corrida e correr um pouco. Ele calçou os tênis e foi. Já começou a gostar ali, no primeiro treino. Mesmo acima do peso, correr não era difícil e ele passou a se dedicar. Os primeiros 5km foram feitos em cerca de 25min e sem muito esforço. Com os primeiros 10km, a história foi bem parecida. Saiu para correr 5km, sentiu que poderia fazer mais e completou os primeiros 10km em 55min com aquela paisagem linda de Florianópolis como testemunha. Tá bom, correr não é sempre tão fácil, mas o Cassio é disciplinado, leva a coisa a sério e por isso, se dá muito bem no esporte!

Antes de começar a correr, ele jogava futebol 3 vezes na semana e, após o jogo, o pessoal ia beber, comer churrasco e fumar. Isso nunca combinou com ele. Ele não bebe, gosta de uma vida mais saudável e queria estar no meio de pessoas assim. A corrida o arrebatou! Tá bom, que tem muito corredor que não é tão saudável assim, mas é um meio mais propício para quem curte esse estilo de vida. No início, ele corria e fazia musculação, mas há pouco tempo trocou a musculação pelo treinamento funcional focado na corrida e tem gostado muito mais. Ele tem uma nutricionista que o acompanha e segue a alimentação corretamente, na medida do possível, isto é, não deixa de viver por causa da dieta, mas tenta se manter focado.

Ele deu uma volta na Lagoa da Pampulha para comemorar os 30 anos. Dois meses depois, correu a Volta Internacional da Pampulha e um amigo o convidou para correr uma maratona. Claro que ele ficou bem tentado a aceitar… Ainda não havia corrido uma Meia Maratona e foi conversar com o treinador. Ao ouvir que era possível, que dava para se preparar, aceitou o desafio, reuniu uma turma de amigos e foram se preparar para esse grande desafio. Correu a tal Meia Maratona como parte dos treinos para a Maratona de Porto Alegre. Terminou a prova certo de que não conseguiria encarar a Maratona, assustado com a distância. Mas entendeu que com disciplina e dedicação daria certo! Ele correu logo a Meia Maratona da Linha Verde, que é só subida e costuma ser muito cruel. Em Porto Alegre, o percurso seria plano e o treinador acreditava nele, sabia que ele era capaz.

E lá foi ele. Encarou os treinos mais longos com uma sabedoria que me surpreendeu. Ele fazia da seguinte forma: se numa semana ele fez um longo de 25km e na semana seguinte a distância seria 27km, ele não ficava pensando nos 27km que teria que correr. Ele pensava que deveria fazer o mesmo treino da semana anterior, apenas acrescido de 2km! Não entendeu? Ele chegava para treinar e pensava assim: “hoje eu tenho que correr 2km a mais do que eu corri na semana passada. E 2km é muito tranquilo, a qualquer hora você faz 2km. Então, o que eu fazia? Eu chegava na Pampulha , corria os 2km que eu tinha que correr e fazia o treino de 25km que eu tinha para fazer, igual na semana anterior” e assim ele não sofria, não se desesperava com as distâncias. Gostei muito disso! Vou começar a utilizar essa técnica para não ficar com tanto medo dos treinos longos! Valeu pela dica, amado!

Dessa forma, ele estreou na Maratona como se aquilo fosse uma diversão entre amigos. Foram conversando e rindo e se divertindo até os 26km e assustando a todos que estavam pelo caminho e não acreditavam que era a estreia deles na distância. Perceberam que as pessoas não conversavam, que estavam muito focadas. Mas eles não conheciam a distância e sentiam um certo medo do famoso muro ou urso ou como queiram chamar a barreira dos 30km. Eles respeitaram muito a distância, talvez até mais do que deveriam. Fizeram uma prova tranquila e terminaram muito bem. O Cassio completou a prova em 4h18min. Um tempo maravilhoso para um inicante! Que estréia… Ele foi tão bem que, na segunda maratona, baixou cerca de 40min nesse tempo!

Mas nem tudo na vida são flores e, apesar de nunca ter se lesionado, o Cassio já teve uma decepção muito grande nas corridas. Ele desistiu de uma prova. E não foi uma prova qualquer, foi a Maratona de Paris. Ele criou muitas expectativas para essa prova, afinal não é todo dia que se corre em Paris, ele chegou na cidade na sexta à noite e correria a Maratona no domingo de manhã. Era a primeira viagem para o exterior, lidar com a diferença de fuso horário, a ansiedade por essa prova e milhões de outros fatores mexeu com o Cassinho. Ele acordou de madrugada passando mal, teve muito enjôo e, entre 3 e 4h da manhã ela já sabia que a prova estava perdida. Ter essa certeza, provavelmente é a pior coisa do mundo… Confesso que já chorei lendo um texto onde o Cassio contava essa história, mas eu choro à toa mesmo! Bom, ele largou sem ter conseguido tomar café da manhã, com muitas dores e ainda tentou correr por 4km, mas não deu. Ele teve que desistir. Foi uma grande decepção, mas um grande aprendizado também. Segundo ele, se tornou um outro corredor depois disso, “aprendi a controlar mais as minhas expectativas e não falar tanto dos meus treinos, das provas que eu estou planejando, eu prefiro contar depois que já foi feito. Depois que eu realizei, eu vou lá e conto”.

Vocês já devem ter lido muitas vezes sobre o quanto é difícil recomeçar após ter desistido. Eu mesma, já contei sobre isso porque senti na pele a dor de desistir e ter que voltar a correr. E ele superou isso também. Cerca de 40 dias depois da Maratona de Paris, ele completou mais uma vez a Maratona de Porto Alegre, dessa vez, baixando o tempo para 3:34h. Pois é, ele superou rápido o trauma e ainda baixou mais o seu tempo em maratonas!

Bom, o histórico desse garoto nas Maratonas é o seguinte:

2010: Maratona de Porto Alegre em 4h18min

2011: Maratona de Porto Alegre em 3h38min

2012: Maratona de Paris – desistência no 4km

2012: Maratona de Porto Alegre em 3h34min

2013: Maratona de Buenos Aires em 3h18min

2014: Maratona do Rio de Janeiro em 3h26min

Após voar baixo na Maratona de Buenos Aires, vale o choro!!! E eu choro junto mesmo...

Após voar baixo na Maratona de Buenos Aires, vale o choro!!! E eu choro junto…

Só para constar, o Cassio não costuma fixar objetivos de tempos ou coisas do tipo. Ele treina sempre para estar bem fisicamente e em forma para encarar qualquer desafio que apareça. Esse sempre, é sempre mesmo! Segundo ele, se ele perder 2 treinos ao longo de um ano, é muito! Ele vive normalmente, sem deixar de aproveitar nada, mas não deixa de treinar por nada. Pode estar cansado, não ter dormido bem, mas não perde o treino. Juro que vou aprender isso! Eu evito ao máximo perder os treinos e tal, mas a minha disciplina ainda não é assim… E essa disciplina toda, ele diz que foi a corrida quem trouxe para a vida dele. E ele corre para se divertir! Pode até não parecer, mas ele realmente corre para se divertir!!! Segundo ele, “na hora da prova, eu deixo acontecer. Já aconteceu de numa Meia do Rio estar quente e eu cheguei lá e resolvi curtir. Fiz meu pior tempo de Meia Maratona e foi a prova que eu mais me diverti, foi a primeira prova que eu consegui ver a paisagem. Meu objetivo é correr feliz, eu não estabeleço tempo ou metas. Eu sempre saio para correr feliz”.

“Existe um Cassio antes das corridas e um Cassio depois das corridas. O número de pessoas que eu conheci, os lugares para onde eu viajei, as corridas que eu participei, as pessoas que eu nunca teria conhecido se não fosse a corrida – de classes sociais e trabalhos completamente diferentes dos meus – eu nunca teria conhecido essas pessoas se não fosse a corrida. Eu, hoje, não consigo me imaginar sem a corrida”. Não é incrível como a corrida realmente muda a vida das pessoas?

13.º lugar geral nos 21k de Noronha. Não é para qualquer um...

13.º lugar geral nos 21k de Noronha. Não é para qualquer um…

Há pouco tempo, ele mudou de assessoria. Depois de 6 anos na Endorfina, o Cassio agora é Run & Fun. Na Endorfina, ele começou a correr, fez muitos amigos, bateu vários recordes pessoais e é muito grato por tudo. Isso é muito legal! Mas na Run & Fun ele tem aprendido mais sobre a parte técnica, mudou bastante a forma de treinar e consequentemente, evoluiu mais um pouco. O formato do treino é diferente – com aquecimento primeiro e objetivos do treino sendo discutidos + desaquecimento no final e feedback – ele faz mais treinos de tiro e sente que tecnicamente está melhor. Tanto é que ele já bateu recorde pessoal nos 10km na primeira prova com a Run & Fun! Cravou 42min36s no Circuito das Estações Etapa Outono. Como ele estava feliz… Conversamos um pouco ao final da prova e, bater um recorde pessoal é bom demais! Ainda mais numa prova em que teve subidas (o melhor tempo dele nos 10km tinha sido no plano)!

Agora ele é Run & Fun e está correndo mais ainda!!!

Agora ele é Run & Fun e está correndo mais ainda!!!

Para quem está começando, ele dá um conselho: “correr é muito bom, mas cuidado para não se machucar porque é muito normal as pessoas que começam a correr ficarem empolgadas por terem encontrado um esporte com o qual se identificaram e querer correr todos os dias, aumentar distâncias por contar própria. Vejo muitos casos do tipo: ‘ah, era pra eu correr 5km, mas acabei dando a volta na lagoa’ e aí as outras pessoas dizem ‘parabéns guerreiro, você é demais’. Cara, vocês estão criando um monstro. Daqui a pouco a pessoa vai machucar, ficar uma ano sem correr e a culpa é de vocês”. Você já parou para pensar sobre isso?! Essa colocação do Cassio mexeu comigo! E ele continua: “a dica que eu dou é: respeite seus limites. Às vezes vale mais a pena você desistir do que se machucar”.

Espero que o Cassio continue correndo muito, se dedicando profissionalmente ao esporte através dos sites e projetos especiais porque isso só acrescenta e que possa incentivar muita gente a correr. Que venham mais recordes pessoais, muita diversão e muitas histórias boas para contar!!!

Aline Oliveira
Apaixonada pela vida, por esportes, pessoas e suas histórias. Curiosa sobre o mundo e eterna aprendiz. Depois de anos proibida de praticar os esportes que amava devido a um probleminha nos joelhos, resolvi me arriscar. Não aceitei largar a corrida e hoje sou uma corredora muito feliz!!!

TOPO
%d blogueiros gostam disto: